História da fundação  de Monte Verde

Egydio Coelho da Silva

 

Capítulo III– A descoberta dos

Campos do Jaguari, hoje Monte Verde

 

Os pioneiros de Monte Verde são Verner Grinberg e sua esposa dona Emília (foto)

e o sobrenome da família deu o nome à cidade: “grin”, verde, e “berg”, monte.

A interpretação mais lógica é que a fundação da cidade se deu em 29 de novembro de 1.950, quando Verner Grinberg, fundador da cidade, vendeu os dois primeiros lotes na sua fazenda, que se localizava nos Campos do Jaguari, onde é hoje Monte Verde.

Ao iniciarmos esta pesquisa, encontramos escrituras públicas,  que registravam vendas dos primeiros lotes de terreno.
 Um para Andrejs Ceruks, letoniano, residente em Nova Odessa-SP; o outro, para João Lukas, letoniano, residente na Capital de São Paulo, pelo valor de cinco mil cruzeiros cada um.
 
Em seguida, houve mais vendas:

Em 12-03-1951, 11 alqueires para Ilsa e Lisa Grinberg, letonianas, “residentes neste município" de Camanducaia-MG.

Desta data em diante até 1.957, houve várias transações imobiliárias de Verner para outros compradores, principalmente a novos pioneiros letonianos:

Arvido Leiasmeier em 27-11-1.953, João Virbuls em 26-01-1.954, Lina Vitemberg em 23-11-1.955, Krists Abols em 26-10-1.956, Olga Pauzer em 26-09-1.956, Arnards Skujins em 27-07-1.954, Zelma Stefemberg, em 10-09-1.956, para o brasileiro Sebastião Bueno da Silva em 20-11-1.956 e para o checo Rodolf Mikes em 27-07-1.957.
O primeiro loteamento foi inscrito no Cartório de Registro de Imóveis em 10 de julho de 1.955; o segundo, em 20-10-1.955 e o terceiro em 17-04-1.972.

A família Grinberg chegou ao Brasil em 1.913 (Verner com três anos de idade), antes da Primeira Guerra Mundial.
Conforme conta Roberto Stikan (marido da neta de Verner):
 "Sr. Verner, inclusive, muitas vezes mencionava que ele teve a grande felicidade de não ter visto nenhuma das duas grandes guerras que envolveram a Europa, ao contrário de muitos dos seus patrícios e amigos letos.

De início, se instalaram em Pariquera-Açu (10).

 

(10) Pariquera-Açu

Censo - 2000: a maioria dos habitantes tem origem alemã,polonês,austríaco e italiano.
População total: 17 649

Região de Registro - Municípios limítrofes: JacupirangaRegistroIguape,Cananéia

Distância até a capital São Paulo: 220 km

 

Depois, por volta de 1916, se mudaram para São José dos Campos.

Foi somente em 1922, quando chegou um grupo de aproximadamente 2.000 imigrantes da Letônia, que ele se mudou para a Colônia, onde o grupo de letos, recém imigrados, iria se instalar, que se chama Palma.
Foi somente entre 1923 e 1924 que Varpa teve seu início.

Palma também não existia antes de 1922, quando da chegada dos letos.

Ambas colônias (Varpa, hoje é distrito, Palma, apenas uma fazenda) estão localizadas no município de Tupã (Veja no capítulo II:

(2 Varpa em letão: Vārpa).
Paraguaçu Paulista e Quatá são cidades próximas. Digo isso não somente por conhecimento da história do Sr. Verner, mas também meus bisavós, avós e outros parentes (contemporâneos do Sr. Verner) também fizeram parte do grupo de 1922 e residiram em Varpa e Palma até o final da vida deles. Sr. Verner faleceu aos 96 anos de idade, nasceu em 26.05.1910, faleceu em 13.08.2006."
Ao se casar com dona Emília Leismeir, resolve passar sua lua de mel em Campos do Jordão, região parecida com a sua terra natal; o jovem casal se empolga com o clima de montanha e com as paisagens da Serra da Mantiqueira. 
Em 1.936, ouviu falar dos Campos do Jaguari, hoje Monte Verde, lugar de clima e paisagens semelhantes a Campos do Jordão, "mas, a paixão pela região já vinha de tempos anteriores, da época em que Verner, ainda menino, trabalhara com seu pai, Ernesto Grinberg, madeireiro, em Campos do Jordão."
Conta Stican: "Eles sempre quiseram viver em uma região semelhante.
Foi nesta época que ouviram falar pela primeira vez dos “Campos do Jaguari”, local semelhante a Campos do Jordão com o mesmo clima, montanhas e madeira abundante.

Não conseguiram, no entanto, precisar onde exatamente se localizavam os Campos do Jaguari. Somente vários anos mais tarde, depois de já casado, que o Sr. Verner ouviu, de outro leto, Sr. Pumpurs, sobre a localização dos tais “campos”.
Esta região também ficava junto a Serra da Mantiqueira, distante em linha reta apenas 50 quilômetros de Campos do Jordão, embora no Estado de Minas Gerais.
Em 1936, Verner e seu pai decidem finalmente conhecer a tal “Campos do Jaguary”.
Levaram dois dias de viagem para chegar ao local. Tomaram um trem da capital de São Paulo a Piracaia, dali a Joanópolis foram de automóvel, e para seguir adiante somente mesmo em lombo de um burro.

Não havia estrada até o local, mas, imbuído de espírito empreendedor, sobe até o pé da Serra da Mantiqueira, abrindo picada no meio do mato.

Ali permaneceram a 1500 metros de altitude num vale que ficava na base do Pico do Selado.
Durante três dias tentaram adquirir terras, mas não havia ninguém interessado em vendê-las.

Para a salvação dos viajantes já cansados, quando já estavam regressando, alguém veio correndo atrás dos Grinbergs, montados em seus burricos, perguntando se estavam interessados em adquirir alguma gleba.
Em 1.938, completou a aquisição das terras e iniciou a formação da fazenda. 
Ele, Dona Emília, o pai e um casal de primos montaram uma barraca de lona com dois quartos (homens em um e mulheres em outro) exatamente onde é o centro de Monte Verde.
Logo surge a primeira casa.
Com o passar do tempo, muitos de seus amigos e conhecidos começaram a sentir atração pelo lugar. 
Por isso, decidiu vender aos amigos e parentes, geralmente adeptos de sua religião, a batista, lote de terreno para que construíssem casa e viessem morar na fazenda, a qual assim foi se transformando em uma vila. 
Em 29 de novembro de 1.950, Verner vendeu os dois primeiros lotes de terreno, mas somente em 10 de julho de 1.955, registrou o primeiro loteamento de parte da fazenda. 
Os primeiros, que mais se interessaram, foram os europeus, que transformaram a antiga fazenda em vilarejo tipicamente alpino.

Volta à página inicial da História

da Fundação de Monte Verde